PT propõe ‘dízimo’ de verba provida pelo contribuinte

Líder do PT na Câmara, o deputado Paulo Teixeira (SP, na foto) formulou uma proposta entre inusitada e despudorada.

Sugere a instituição de um “dízimo” sobre a verba que cada deputado recebe mensalmente para o custeio do mandato.

Deve-se a informação à repórter Maria Clara Cabral. Ela acomodou os detalhes sobre a novidade em notícia levada às páginas da Folha.

Apelidado de “cotão” o repasse aos deputados serve, em tese, para bancar despesas cotidianas dos gabinetes.

Coisas  como passagens aéreas, impressão de material de divulgação, aquisição
de pesquisas, compra de material de escritório e gasolina.

Para  os deputados de Estados mais longínquos, como Rondônia, o “cotão” pode
chegar a R$ 34,2 mil. Mais do que o contracheque do deputado: R$ 26,7 mil.

Pois bem, o petista Teixera sugere que os parlamentares entreguem mensalmente às lideranças de seus partidos 10% da supercota.

Para  quê? No dizer de Teixeira, a grana comporia um fundo. E seria destinada  ao “atendimento das despesas de interesse coletivo da bancada”.

Curioso,  muito curioso, curiosíssimo. Hoje, os líderes já têm à sua disposição  uma estrutura extra. Inclui gabinete especial e equipes vitaminadas.

O  número de assessores varia conforme as bancadas. Na liderança do PT, a  folha abriga 90 companheiros. Um time de fazer inveja a empresas de porte médio.

Para  fazer jus ao “cotão”, um deputado precisa apresentar recibos das despesas sipostamente realizadas. São frequentes os casos de fraude.

No  caso do dízimo, a grana seria borrifada em contas bancárias aberta  pelos líderes ou por pessoas indicadas por eles. Sem previsão de devolução.

A proposta não obteve unanimidade nem entre os “liderados” de Texeira.

“A  princípio, sou contra, principalmente porque já repasso 20% do meu  salário líquido para o partido”, disse, por exemplo, Domingos Dutra (PT-MA).

Para desassossego do contribuinte, porém, a sugestão do líder petista conquistou  um apoiador de peso.

Aderiu  à ideia ninguém menos que Marco Maia (RS), o presidente petista da  Câmara. Ele pretende submeter a proposta aos líderes de outras legendas.

A encrenca não precisa nem votada em plenário. Para virar realidade, basta que a Mesa diretora da Câmara a aprove.

Como  se vê, são insondáveis os riscos a que a Viúva é submetida no Legislativo. Ali, insiste-se em tratar verba pública como se fosse dinheiro grátis.

Anúncios

One Response to PT propõe ‘dízimo’ de verba provida pelo contribuinte

  1. nynnaload disse:

    Logo estaremos trabalhando seis meses por ano para custear esse desgoverno…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: