Lula elogia Dilma: ‘Está aprendendo a fazer política…’

Sete meses, 25 dias e quatro demissões ministeriais depois da posse de sua pupila, Lula está feliz com o desempenho de Dilma Rousseff na Presidência.

Há dois dias, em diálogo privado com um amigo petista, Lula disse que, aos poucos, Dilma agrega à “competência administrativa” o necessário traquejo político.

“Ela está aprendendo a fazer política”, disse o ex-soberano. “Depois de alguns tropeços, está se saindo muito bem.”

As observações de Lula coincidem com a decisão de Dilma de refrear os movimentos da vassoura. Ele, como ela, desenvolveu uma ojeriza pelo vocábulo “faxina.”

Na avaliação de Lula, excetuando-se a crise do Ministério dos Transportes, Dilma “agiu bem” nas outras três: Casa Civil, Defesa e Agricultura.

No caso dos Transportes, disse Lula, houve “açodamento.” Ele credita a saída de Alfredo Nascimento e o abalo nas relações com o PR à “falta de tato” do Planalto.

Preferia que Antonio Palocci (PT) não tivesse deixado a Casa Civil. Mas, em análise retrospectiva, conclui que Dilma “não teve alternativa.”

Desprovida de explicações, a evolução patrimonial do amigo tornou-o um ministro inviável. “Uma hora tem que resolver, senão o governo não governa”, disse.

Atribui a queda de Nelson Jobim ao próprio Jobim. No dizer de Lula, o ex-titular da Defesa “falou demais, disse o que não devia.”

Os elogios a Dilma soaram no instante em que Lula analisou a encrenca da Agricultura. Foi nesse episódio, segundo ele, que a pupila demonstrou seu aprendizado político.

Submetida ao pedido de demissão de Wagner Rossi, Dilma atribuiu ao padrinho dele, o vice-presidente Michel Temer, a missão de cavar um substituto no PMDB.

Sobreveio o nome do deputado Mendes Ribeiro (PMDB-RS), velho conhecido de Dilma da política gaúcha, líder dela na Câmara. Para Lula, “um gol de placa.”

Lula tem conversado amiúde com a sucessora. Pelo telefone, duas ou três vezes por semana. Pessoalmente, pelo menos um encontro por mês. Quando a agenda permite, dois.

Celebra o fato de Dilma estar menos avessa aos políticos. “Ela agora se reúne mais, conversa mais.” Festeja sobretudo a reaproximação com o PMDB. “No PT, eu ajudo.”

Embora não diga, o ex-soberano constrói suas análises a partir de interesses próprios. Gestora de um governo de continuidade, Dilma passeia sobre a herança de Lula.

Por ironia, os quatro ex-ministros de Dilma foram ministros de Lula.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s