PT agora tenta adiar CPI do caso Cachoeira

O temor de que as investigações sobre o caso Carlinhos Cachoeira possam respingar em membros do partido ou do Palácio do Planalto fez integrantes do PT começarem a trabalhar pelo adiamento da CPI no Congresso.

Petistas dizem querer esperar o retorno do presidente do Congresso, José Sarney (PMDB-AP), para permitir que a comissão saia do papel. Sarney está internado em São Paulo após se submeter a cateterismo e angioplastia com a colocação de stent.

Na sua ausência, a deputada Rose de Freitas (PMDB-ES) poderia convocar uma sessão do Congresso para instalar a CPI por ser a primeira vice-presidente do Legislativo. Mas a estratégia é convencê-la a não instalar.

“O que terá de ser feito vai ser feito. Mas vou ouvir os líderes primeiro. Se quiserem a instalação imediata da comissão, eu vou fazer”, disse ela.

Integrantes da base de apoio da presidente Dilma Rousseff, temerosos do alcance da comissão, apostam que, com o adiamento, o clima pró-CPI pode esfriar.

No Rio, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho (PT), negou que Dilma esteja insatisfeita com a criação da CPI, como tem sido ventilado.

ESTRATÉGIA

Apesar de defender o retardamento das investigações, o PT nega intenção de barrar a CPI. A ordem é ganhar tempo para traçar um plano decidir a composição da comissão.

Com o adiamento, o partido também pode postergar a definição do relator da CPI.

Entre os cotados estão Odair Cunha (MG), Carlos Zaratini (SP), Paulo Teixeira (SP) e Henrique Fontana (RS). A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), responsável pela interlocução do governo com o Congresso, participa ativamente da escolha do nome.

O objetivo do Planalto é conter danos colaterais durante as investigações.

Os petistas querem restringir as investigações ao período 2009-2011 para evitar que o escândalo do mensalão, que veio à tona em 2005, volte a ser tratado em uma CPI.

Outra determinação é focar as ligações do empresário Carlos Cachoeira com membros da oposição.

Líder do PT na Câmara, Jilmar Tato (SP) defendeu a convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), mas disse não ser “razoável” ouvir o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) –ambos suspeitos de ligação com Cachoeira.

E disse não ser necessário convocar o ex-ministro José Dirceu. Em 2004 foi divulgado vídeo em que Waldomiro Diniz, então assessor de Dirceu, cobrava propina de Cachoeira.

Anúncios

One Response to PT agora tenta adiar CPI do caso Cachoeira

  1. felipe disse:

    Curiosidade:
    a remuneração de um soldado é de 492,00, ou seja abaixo de um salario minimo há muito tempo.
    Já o auxilio-reclusão é de 915,05
    Porque um pais valoriza mais um preso do que um soldado que o defende.
    ps: sou sargento e trabalho com pagamento de pessoal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: