Com risco de impeachment, Dilma quer acelerar nome para lugar de Adams

governo-dilma

Impeachment

fora dilma

A presidente Dilma Rousseff pretende definir nos próximos dias o substituto de Luís Inácio Adams no comando da AGU (Advocacia-Geral da União), nome que participará da elaboração da defesa da petista no processo de impeachment  que tramita atualmente no Congresso. Em janeiro, o ministro responsável por defender o governo federal no julgamento sobre as chamadas “pedaladas fiscais”, que embasam o pedido de afastamento da petista, avisou que deixará o posto em 29 de fevereiro.

A presidente chegou a solicitar a ele que ficasse no cargo até abril, quando o Palácio do Planalto acredita que o processo de impedimento terá um desfecho na Câmara. O pedido, no entanto, não demoveu o ministro, que se reunirá nesta semana com a presidente para discutir nomes para sua sucessão.

Na lista analisada pela presidente, dois nomes têm sido apontados como favoritos: o do ex-secretário-executivo do Ministério da Previdência Marcelo Siqueira, que tem o apoio de Adams, e o do procurador-geral do Banco Central, Isaac Menezes Ferreira.

O último nome tem ganhado força nos últimos dias entre ministros e auxiliares da petista. No início do ano passado, ele chegou a ser convocado pelo Planalto para defender a gestão da presidente em relação às “pedaladas fiscais” e é um crítico do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), inimigo do Palácio do Planalto.

Em entrevista ao jornal “Valor Econômico” publicada nesta terça-feira (16), Isaac Ferreira acusou o peemedebista de ter atuado com “abuso de autoridade” e afirmou ainda que o país sofreu uma espécie de sequestro. Ele participou ainda de investigação que demonstrou a omissão pelo presidente da Câmara dos Deputados de contas no exterior.

Resistência

Além deles, a presidente avalia os nomes do coordenador jurídico da última campanha da petista, Flávio Caetano, responsável por sua defesa em processo de cassação na Justiça Eleitoral, e do subchefe para assuntos jurídicos da Casa Civil, Jorge Messias. Segundo ministros e auxiliares, contudo, a petista tem demonstrado resistência em indicar qualquer um dos dois, já que considera que ambos têm tido um bom desempenho em suas atuais funções, consideradas estratégicas para o governo federal.

Nome considerado desde o ano passado favorito para o posto, o secretário nacional de Justiça, Beto Vasconcelos, não saiu do radar da petista, mas tornou-se, segundo assessores e auxiliares, uma “alternativa pouco viável”. O ex-chefe de gabinete da presidente foi escalado para comandar uma espécie de “supersecretaria” no Ministério da Justiça, a qual englobará as atribuições da Secretaria de Reforma do Judiciário.

Fonte.: Hoje em Dia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s