PMDB considera impeachment de Dilma inevitável

governo-dilma

Impeachment

Manifestação na Paulista, 13 de março. (Foto: Ignacio Aronovich/ Lost Art/ Epoca)

Chefes do partido combinam como acelerar o processo na Câmara

A presença maciça dos brasileiros neste domingo (13) nas ruas do país convenceu a cúpula do PMDB de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff é inevitável. Em conversas reservadas entre sábado (12), após a convenção do partido, e hoje, ainda no auge dos protestos deste 13 de março, os chefes da legenda concluíram que Dilma não tem mais condições de se manter no poder. Apesar das diferenças entre as alas do partido, emerge o consenso de que a melhor estratégia para o PMDB consiste em trabalhar pelo impeachment somente nos bastidores, em vez de romper publicamente com Dilma.

As grandes táticas de cada ala estão claras e definidas. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, adversário declarado de Dilma, apressará os trabalhos da comissão de impeachment, ajudará a tirar partidos da base aliada e aumentará os ataques públicos contra o governo. Na quarta (16), o Supremo definirá finalmente se haverá mudanças no rito do impeachment. Seja qual for o resultado, a Câmara fará a votação da comissão especial na quinta; a instalação será no dia seguinte. Em 30 dias, a comissão terminará seus trabalhos e, no começo de maio, os 513 deputados votarão em plenário o afastamento de Dilma. Isso, é claro, se o Supremo não intervier novamente no processo de impeachment.

>> As manifestações de 13 de março em todo o Brasil

Até lá, o vice-presidente Michel Temer, sucessor de Dilma no caso de impeachment da petista, ficará em silêncio e manterá uma distância segura do Planalto. Precisa se comportar como estadista – ou dar a aparência disso. Os senadores do PMDB, em especial Renan Calheiros, que até há poucas semanas permanecia próximo ao governo, farão críticas pontuais ao governo, pregarão a “união do país” e ajudarão nas articulações com a oposição. Esse grupo, o último relevante no PMDB que resta a Dilma, já combinou que não vai segurar a presidente, caso o impeachment passe na Câmara.

Pelos planos do PMDB, portanto, Temer assumiria a Presidência ainda em maio. Essa estratégia leva em conta duas premissas. A primeira, de que a situação política de Dilma não se deteriorará a ponto de exigir rapidamente um rompimento formal do partido. A segunda, de que os fatos da Lava Jato não acertarão com força Temer ou, de modo ainda mais incisivo, um número maior de deputados e senadores responsáveis pelo impeachment. Por enquanto, apenas Cunha e Renan estão conspurcados pelas acusações de corrupção. Se o fogo da Lava Jato se alastrar a ponto de queimar mais o Congresso do que o Planalto, o impeachment pode parar.

Há, ainda, duas premissas invisíveis: o PMDB não cometerá erros – e Dilma, como de hábito, errará muito.

Fonte.: Revista Época

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s