Após três meses, governo Temer coleciona frases polêmicas; relembre

governo temer

novo slogan

Falas do presidente em exercício e de ministros repercutiram negativamente. Ricardo Barros disse que homem cuida menos da saúde por trabalhar mais.

O governo do presidente em exercício Michel Temer, que completou três meses nesta sexta-feira (12), vem colecionando frases polêmicas. Declarações de ministros e do próprio Temer geraram intensa repercussão negativa, especialmente nas redes sociais.

O último episódio da série de escorregadas dos integrantes do governo interino ocorreu na última quinta-feira (11), quando o ministro da Saúde, Ricardo Barros, gerou polêmica ao fazer um comentário sobre a atuação de homens e mulheres no mercado de trabalho. A declaração foi interpretada como “machista”.

Em algumas situações, o presidente em exercício chegou a desautorizar ministros publicamente devido a falas que constrangeram o Palácio do Planalto.

Relembre algumas polêmicas do governo Temer:

Homens ‘trabalham mais’
Um dos principais protagonistas de frases polêmicas no primeiro escalão tem sido o ministro da Saúde, Ricardo Barros. Na última quinta, ele voltou a movimentar as redes sociais depois de afirmar que os homens “trabalham mais”, são os “provedores da maioria das famílias”, e, por isso, cuidam menos da própria saúde porque “estão fora trabalhando”.

A declaração repercutiu negativamente e foi contestada, inclusive, pela própria filha do ministro, a deputada estadual Maria Victoria Borghetti Barros (PP-PR).

Barros, então, divulgou nota na qual se desculpou pela fala e esclareceu que se referiu não à jornada de trabalho, mas, sim, ao número de homens no mercado de trabalho.

CARD: Ministro da Saúde, Ricardo Barros (1) (Foto: Card/G1)

Mulheres no Senado
Em viagem ao México no final de julho, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, foi duramente criticado após uma brincadeira com o número de senadoras no país latino-americano.

Serra “alertou” a chanceler mexicana Claudia Ruiz Massieu sobre o “perigo” que o alto número de parlamentares mexicanas pode oferecer aos políticos brasileiros.

— Devo dizer, cara ministra, que o México, para os políticos homens no Brasil, é um perigo, porque descobri que aqui quase a metade dos senadores são mulheres — disse o ministro, de acordo com a agência de notícias AFP.

CARD: Ministro das Relações Exteriores, José Serra (Foto: Card/G1)

Programa ‘generoso’
O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse em julho, em entrevista ao jornal “O Globo”, que o programa Ciência sem Fronteiras é “caríssimo” e “generoso”. O governo Temer suspendeu a concessão de novas bolsas para o programa.

“Nem Finlândia, Suécia ou Dinamarca, que são países riquíssimos e muito bem resolvidos na questão de equidade, ofertariam um programa tão generoso como esse, sem qualquer acompanhamento”, declarou.

“É um programa caríssimo, e para atender 35 mil alunos. Sem avaliação, sem acompanhamento. Boa parte dos cursos são de terceira linha, sem sequer compatibilidade curricular com nossas universidades. Foi feito e moldado de forma absolutamente amadorística”, concluiu o ministro.

CARD: Ministro da Educação, Mendonça Filho (Foto: Card/G1)

‘Benzedeira’
Outra declaração polêmica do ministro da Saúde, Ricardo Barros, foi dada durante uma entrevista coletiva na qual ele falava sobre o programa Mais Médicos. Na ocasião, ele disse que prefere ter médicos cubanos do que farmacêuticos ou benzedeiras atuando em locais de difícil acesso no país.

“Se tiver algum ponto em que médicos brasileiros não queiram ir, teremos lá um médico cubano. É melhor ter um médico cubano do que um farmacêutico ou uma benzedeira”, afirmou, em junho.

CARD: Ministro da Saúde, Ricardo Barros (2) (Foto: Card/G1)

‘Mundo feminino’
Em maio, somente três dias após tomar posse, Michel Temer disse, em entrevista ao Fantástico, que buscava nomes do “mundo feminino” para compor o primeiro escalão do governo federal.

Ele sofreu duras críticas de movimentos sociais por não ter nomeado nenhuma mulher para chefiar ministérios em seu governo.

“Você sabe que eu fiz a junção de vários ministérios. E agora, em pelo menos em três deles, a Cultura – Educação e Cultura. Mas para a Cultura eu quero trazer uma representante do mundo feminino. Para a Ciência e Tecnologia e Comunicações, quero trazer uma representante do mundo feminino. E também na chamada Igualdade Racial, mulheres e etc., que passou a ser Cidadania, eu quero trazer uma mulher. Portanto, eu terei, no mínimo, quatro mulheres integrantes do ministério”, disse Temer.

CARD: Presidente em exercício, Michel Temer (Foto: Card/G1)

‘A fé move montanhas’
Outra declaração de Ricardo Barros bastante criticada, especialmente nas redes sociais, foi dada quando o ministro da Saúde falava sobre a liberação da fosfoetanolamina sintética, substância conhecida como “pílula do câncer”.

Em fase de testes, a pílula causou polêmica entre especialistas. Barros, então, defendeu que o produto seja utilizado mesmo sem efetividade comprovada.

“Na pior das hipóteses, é efeito placebo. Dentro dessa visão, se ela não tem efetividade, mas as pessoas acreditam que ela tem, a fé move montanhas“, disse Barros na ocasião.

CARD: Ministro da Saúde, Ricardo Barros (3) (Foto: Card/G1)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s